O Sindicato de Trabalhadores da PT (STPT) solicitou uma reunião com a Altice para conhecer o projeto do grupo francês para a PT Portugal, defendendo que «é determinante garantir os postos de trabalho» da empresa portuguesa.

«O STPT solicitou um encontro com celeridade com representantes da Altice para obter esclarecimentos sobre a compra da PT Portugal à Oi e o projeto dos detentores da Cabovisão e da Oni [o grupo francês] para a empresa [portuguesa]»”, refere o sindicado em comunicado enviado hoje às redações.

Para os trabalhadores, «é determinante garantir os postos de trabalho e os direitos contratuais acordados» para que a PT Portugal continue «uma grande empresa tecnológica de telecomunicações em Portugal, integrando um projecto de dimensão internacional».

O STPT rejeita ainda «qualquer projeto temporário ao serviço de interesses exclusivamente financeiros para a PT Portugal que visem o maior lucro possível com o menor risco».

Os acionistas da PT SGPS, que detém 25,6% da Oi, vão debater a 12 de janeiro em Assembleia-Geral (AG) a venda da PT Portugal à Altice, sendo que a operadora brasileira, que detém 100% da PT Portugal desde o aumento de capital de maio, já assinou com o grupo francês o acordo definitivo para a venda da PT Portugal.

Entretanto, na quinta-feira, dia 11 de dezembro, fonte próxima da Altice disse que conta ter a compra da PT Portugal concluída entre abril e junho do próximo ano e afirmou que para tornar o processo mais rápido, o grupo deverá entregar até 15 de janeiro a pré-notificação da compra do ativo a Bruxelas.

A PT SGPS tinha poder para tomar uma decisão de alienação, mas como está a ser alvo de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) por parte da Terra Peregrin, da empresária angolana Isabel dos Santos, o poder do Conselho de Administração passa para os acionistas.

A Altice tinha anunciado a 30 de novembro o aumento da oferta em 375 milhões de euros, para 7.400 milhões de euros.

A Terra Peregrin já disse que deixará cair a OPA que lançou sobre a PT SGPS, caso os acionistas aprovem a venda da PT Portugal à Altice.

A Terra Peregrin anunciou a 09 de novembro a sua intenção de comprar a PT SGPS, oferecendo mais de 1,21 mil milhões de euros pela totalidade das ações da empresa portuguesa, ao preço de 1,35 euros por ação. A oferta é destinada a 100% do capital da PT SGPS.

O sindicato que representa os trabalhadores da PT já foi também recebido pela Terra Peregrin.

O Conselho de Administração da PT SGPS divulgou na terça-feira à noite um comunicado sobre a OPA da Terra Peregrin, onde rejeitou o preço proposto, de 1,35 euros por ação e afirmou que este "não reflete o valor intrínseco da empresa".

Os acionistas terão também de deliberar sobre esta operação em AG, o que só poderá acontecer quando a CMVM emitir um parecer favorável ao lançamento da OPA.

A oferta carece também de um parecer da Autoridade da Concorrência (AdC), já que Isabel dos Santos tem uma participação na operadora NOS.