O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) comunicou hoje a paralisação dos assistentes de portos e aeroportos (APA) por 24 horas a 27 de agosto.

Em causa o fato de ter fracasso a negociação para o contrato coletivo de trabalho.

O SINTAVA diz que após mais de 9 meses de negociação de um contrato coletivo de trabalho com a Associação das Empresas de Segurança), “não foi possível sensibilizar as empresas - Prosegur e Securitas - para a realidade pela qual passam estes trabalhadores, responsáveis pela segurança de milhões de pessoas, todos os anos”.

Segundo, o comunicado “estes profissionais são diariamente maltratados, seja ao nível das suas condições de trabalho, seja ao nível das condições de saúde e segurança no trabalho”.

Além da greve de 24 horas, fica ainda agendada uma greve ao trabalho suplementar, entre 24 de agosto e 31 de dezembro. 

Os trabalhadores reivindicam “a negociação de um contrato colecivo de trabalho (…) sem qualquer regime de flexibilização da organização dos tempos de trabalho”. A que acresce o pedido de “a criação de uma carreira profissional, que traga estabilidade e perspetivas de futuro” e “a tomada de medidas urgentes no âmbito de saúde e segurança no trabalho (salas de descanso; balneários; exames médicos; riscos de exposição a radiações ionizantes, etc.)”.