Dois terços das cartas de condução que estavam em atraso foram resolvidos, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo Governo, no âmbito de uma visita do secretário de Estado Sérgio Monteiro ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes.

Segundo os números oficiais distribuídos aos jornalistas, estavam por emitir, no último dia do ano passado, 258.830 cartas, das quais foram emitidas, até hoje, 190.488.

Estão por emitir 68.342 cartas, mas, segundo o secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, a situação deverá estar totalmente resolvida até ao fim do mês.

Sérgio Monteiro destacou que o programa especial para a emissão de cartas de condução (programa SOFIA) foi lançado a 19 de março, altura desde a qual se resolveram 74 por cento dos processos pendentes.

O responsável agradeceu o esforço dos trabalhadores (horas extraordinárias e ao sábado) e salientou que, com o novo sistema, cada atendimento demora em média cinco minutos.

“Sem este programa conseguiríamos, na melhor das hipóteses, apenas em dezembro ter a situação regularizada”, disse, na direção regional do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

O presidente do IMT, João Carvalho, também agradeceu o esforço dos trabalhadores da instituição e admitiu que, no próximo mês, algumas das delegações do IMT deixam de ter necessidade de estarem abertas ao sábado.

“Dentro de duas semanas praticamente teremos a situação resolvida em relação aos atrasados”, disse, chamando a atenção para a existência de grande número de cartas devolvidas pelos correios (que as pessoas não levantam).

João Carvalho garantiu que, neste momento, a emissão da carta demora entre cinco a sete dias e que, diariamente, nas delegações do IMT, todas as pessoas são atendidas, não sendo já necessário que se formem longas filas.

Atualmente, segundo os dados oficiais, há delegações distritais do IMT com poucas centenas de cartas em atraso, como a de Bragança, com 323, ou a da Guarda, com 203. Porto e Lisboa são os distritos que concentram mais cartas em atraso.

Nos últimos anos, a carta de condução demorava, por norma, mais de um ano a estar pronta.