O número de beneficiários do Complemento Solidário para Idosos (CSI) voltou a cair em junho, totalizando 160.768 beneficiários, menos 622 face ao mês anterior, segundo as estatísticas do Instituto da Segurança Social (ISS), divulgadas esta quarta-feira.

“Em junho de 2016, existiam 160.768 beneficiários de CSI, menos 0,4% do que no mês anterior e menos 3,0% do que no mês homólogo de 2015 (menos 4.980 beneficiários)”, refere o Gabinete de Estratégia e Planeamento, do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, numa análise aos dados do ISS.

Apesar das duas alterações legislativas no valor de referência anual (em janeiro passou para os 5.022 euros e, em abril, pelo Orçamento do Estado, passou para os 5.059 euros), o número de beneficiários continua a diminuir.

De acordo com o Gabinete de Estratégia e Planeamento, esta situação deve-se ao facto do regresso à medida não ser feito de modo automático, implicando que os beneficiários voltem a requerer o complemento.

Por outro lado, “as alterações dos agregados familiares, designadamente o direito à pensão de sobrevivência por morte do cônjuge, vão afastando os beneficiários que deixaram de ser elegíveis por alteração dos seus rendimentos”, explica o gabinete na “Síntese de informação estatística da Segurança Social”, que, a partir de agora, começa a acompanhar as estatísticas do ISS.

De acordo com a Segurança Social, as mulheres constituem a maioria dos beneficiários, totalizando, em junho, 112.665, contra 48.103 homens.

O maior número de beneficiários encontra-se no distrito do Porto (25.935), seguido de Lisboa (23.767) e de Braga (12.146), adiantam as estatísticas da Segurança Social.