O secretário de Estado dos Transportes acusou o PS de ter "dualidade de critérios" em relação às privatizações conforme esteja no Governo ou na oposição, assegurando que o executivo continuará a criar condições para que as empresas cresçam.

"O PS tem sempre a intenção de privatizar quando está no Governo e opor-se às privatizações quando está na oposição, é uma dualidade de critérios de natureza política a que já estamos habituados", afirmou o secretário de Estado dos Transportes, Infraestruturas e Comunicações, Sérgio Monteiro, na conferência de imprensa realizada no final da reunião semanal do conselho de ministros.

Sérgio Monteiro reagia ao apelo do PS para que "pare imediatamente" com os processos de privatizações nas áreas dos transportes, água e ambiente, alegando falta de legitimidade política, sobretudo após o Presidente da República ter marcado as eleições legislativas para 04 de outubro.

Sustentando que o PS exige que se pare com as privatizações este ano, tal como já o fez em 2011, 2012, 2013 ou 2014, Sérgio Monteiro assegurou que o Governo está determinado em criar condições - sempre que tal seja possível - para que as empresas cresçam.

Utilizando a CP Carga, SA como exemplo, o secretário de Estado dos Transportes disse acreditar que o compromisso financeiro de capitalização da empresa assumido pelo novo investidor "lhe dará condições de crescimento da sua atividade com paz e estabilidade laboral".

A decisão do Governo vendeu 100% da CP Carga, empresa detida a 100% pela CP - Comboios de Portugal que se dedica ao transporte de mercadorias e de bens, à MSC- Operadores Ferroviários, foi anunciada ao final da manhã.