Mais de 60 entidades públicas dizem precisar de mais meios por causa da redução do horário para as 35 horas. Quase um quarto das 250 entidades públicas disseram ao Ministério das Finanças que precisam de contratar mais pessoal.

A resposta às necessidades identificadas pelos dirigentes a propósito das 35 horas será dada em parte com contratos a prazo e em parte de forma gradual. Na Educação, o Governo vai renovar 2.621 contratos a termo a termo resolutivo certo, de assistentes operacionais que terminariam no final deste mês, a 31 de agosto. Não é explicado porque é que uma situação que se adivinha permanente é colmatada com recurso a contratos a prazo, nem de que forma a mera manutenção de empregos resolve novas necessidades.

Adicionalmente, o memorando consultado pelo Negócios também prevê que, de um universo de 270 pessoas em requalificação, sejam escolhidas as que tiverem o melhor perfil para trabalhar como assistentes operacionais, apoiando os alunos.

Na Saúde, serão contratados "de forma faseada" mil novos enfermeiros. Na Justiça, o Governo preferiu aumentar as horas extraordinárias, revela o memorando sobre o impacto das 35 horas, noticia o Negócios.