O Santander Totta está a analisar a rede de agências com que ficou após a compra do Banif e admite a sua racionalização, isto é, o fecho de balcões sobrepostos, bem como realocar os trabalhadores em outras áreas dentro do banco.

"Estamos a fazer uma análise, é nossa intenção estudar a racionalização da rede e começar a fazê-la assim que estiver feita a integração informática do banco", avançou o presidente António Vieira Monteiro durante a apresentação das contas de 2015.

"As identificações estão a ser feitas e a aplicação será feita", acrescentou.

Quanto aos 1.100 funcionários que transitaram do Banif para o Santander Totta, Vieira Monteiro não fala em despedimentos, mas em mexidas para outras áreas dentro do grupo.

"Haverá saídas normais (por reforma) e há pessoas que vão ser utilizadas noutras áreas do banco", afirmou.
"Poucos dias depois de termos entrado no banco estendemos ao Banif os aumentos de ordenados que tinham sido feitos no Totta", avançou.

E revelou também que o Santander Totta vai assumir o fundo de pensões dos empregados afetos ao Banif, num total de 2.500 pessoas, e cujo valor anda entre os 150 milhões de euros e os 200 milhões de euros.

"Embora estivesse numa zona cinzenta, entendemos que devíamos assumir o fundo de pensões de todos os empregados afetos ao Banif. Fomos além do que aquilo que estávamos obrigados", afirmou.