A Turquia está a preparar-se para cortar em 25% as importações de gás de petróleo liquefeito (GPL) da Rússia já no próximo ano, avança a Reuters.

É mais um episódio que mostra o escalar da tensão entre os dois países, que começou depois da Turquia ter abatido um avião militar russo. Ancara diz que Moscovo violou o espaço aéreo do país, mas a Rússia garante que sobrevoava território sírio.

Fonte do mercado do GPL garante que as empresas turcas não estão preocupadas porque já estavam preparadas para isto. Mas Moscovo pode já estar a preparar resposta, que pode passar por congelar o projeto do gasoduto turco.

Esta terça-feira Vladimir Putin recusou encontrar-se com o homólogo turco à margem da cimeira do clima, que decorre em Paris, acusando Erdogan de ter abatido o caça russo para proteger as rotas de abastecimento de petróleo do Estado Islâmico para território turco. 
  
Recep Tayyip Erdogan negou a acusação e prometeu apresentar a demissão caso se comprovem as alegações do presidente russo.