O presidente-executivo da Gravity Payments decidiu cortar 90 por cento do seu salário e reduzir os lucros da empresa para aumentar os 120 trabalhadores, relata o «The New York Times».
 
Todos os funcionários desta empresa de Seattle vão passar a ganhar um mínimo de 70 mil dólares por ano (cerca de 66 mil euros), nos próximos três anos.
 
O presidente, Dan Price, ganhava um milhão de dólares por ano e também vai ganhar os 70 mil de «salário mínimo» da Gravity Payments.
 
Além disso, como Dan é o acionista maioritário da empresa, também vai cortar nos seus lucros, que se esperava virem a ser de 2,2 milhões de euros este ano.

Um dos funcionários, Phillip Akhavan, cujo salário vai subir 16%, relatou que, na reunião onde foram anunciados os aumentos, na segunda-feira, por momentos ficaram todos calados, até que irromperam em aplausos.
 

«Demorámos algum tempo a perceber o que ele estava a dizer».


O presidente desta empresa norte-americana contou à CNN que tomou a decisão quando leu um estudo que referia que os funcionários que são aumentados são mais felizes e, por isso, mais produtivos.
 
Dan Price espera que, assim, os lucros da Gravity Payments se multipliquem, defendendo ainda que diminuir a diferença entre o salário do presidente e dos trabalhadores é um «imperativo moral».
 

«A taxa de mercado para mim, como CEO, comparada com a de uma pessoa normal, é ridícula, é absurda».


Dan fundou esta empresa há 11 anos, quando era ainda um estudante. O outro acionista da Gravity é o seu irmão, Lucas, que também gostou da ideia.