Publicadas que estão as novas tabelas de retenção na fonte do IRS, resta agora fazer as contas. Quem sai beneficado? No geral, são os rendimentos mais baixos que vão sentir um alívio na retenção na fonte do imposto. O ministério das Finanças avança que este novo regime deverá beneficiar perto de 950 mil famílias. E os novos valores já se aplicam aos salários pagos no final deste mês de maio.

Aplicando então as novas taxas de retenção na fonte disponíveis no portal das Finanças, e ainda sem considerar as novas tabelas da sobretaxa de IRS, vamos às simulações sobre quanto dinheiro a mais ou a menos entra na conta bancária:

Solteiro sem filhos Solteiro com um filho Solteiro com dois filhos
= 2015 Até 800 euros: + 8 euros Até 1.500 euros: -1€
    Até 3.000 euros: -9 €

Para os solteiros, as retenções de impostos aplicam-se para salários acima dos 610 euros, sendo que em 2015 o patamar era 607 euros.

No caso dos solteiros com filhos, o rendimento disponível mensal vai aumentar para salários inferiores aos de 2015. A taxa de retenção na fonte não se vai aplicar até aos rendimentos de 615 euros mensais, se tiver 1 filho, e até 675 euros para os solteiros com dois filhos.

Casais com um filho Casais com filhos e dois titulares de IRS  
Até 800 euros: + 8 € Retenção aplica-se só acima dos 618 € (antes o patamar era 615 €)  
Até 3.000 euros: - 9 €    

Já um casal de pensionistas (quer seja casado ou não casado) em que cada elemento receba 800 euros mensais fará em maio a mesma retenção que até aqui (48 euros por mês), pelo que não recebe nem mais nem menos de pensão ao final do mês. O mesmo acontece com o casal que ganhe 1.500 euros de pensão (cada um deles): a retenção mantém-se nos 247,5 euros. 

O cenário muda de figura quando, neste caso, o rendimento por titular for de 3.000 euros: a retenção na fonte será inferior a partir de maio face ao que ficava retido em 2015 (de 870 euros, ou seja, menos 45 euros).