O voo de Fernando Pinto à frente da TAP começou no início do milénio, em 2000. Entrou na empresa com uma missão, que disse num encontro com jornalistas em dezembro do ano passado, lhe foi dita logo no primeiro dia: privatizar a companhia. Aconteceu, 15 anos depois. Sai agora da liderança, com esse check na lista. Durante os seus 17 anos de gestão, a empresa viveu períodos mais positivos, outros mais conturbados.

Enfrentou dificuldades, nomeadamente a falta de capital e a dívida, o grupo a registar prejuízos, a necessidade de reestruturação da frota, as flutuações cambiais e várias greves.

E, claro, a chegada das low cost veio mexer com o mercado e também a TAP teve de se adaptar. Criou a ponte aérea entre Lisboa e o Porto, tornou-se líder na operação entre a Europa e o Brasil. 

A dimensão da empresa quase triplicou, entre receitas, passageiros, rotas e aviões nestes anos. É, também, uma das maiores empresas empregadoras nacionais, com 8 mil trabalhadores.

Esta cronologia inclui alguns dos principais acontecimentos e conquistas. 

2000

Fernando Pinto chega à TAP, acompanhado por Manoel Torres, Michael Conolly e Luiz da Gama Mór na equipa de gestão.

Nessa altura, a companhia voava para 38 destinos, com 35 aeronaves. Transportava 5,4 milhões de passageiros.

O resultado da TAP nesse ano foi de 110 milhões de euros negativos.

2003

O Governo cria a TAP SGPS, no âmbito da reestruturação económico-financeira da companhia aérea portuguesa.

Nesse ano, a TAP SA teve resultados positivos de mais de 19 milhões de euros.

2005

A comemoração dos 60 anos da TAP foi feita com o lançamento de uma nova imagem, com um novo logótipo, o quinto desde que a TAP foi fundada. Também passou a ter uma nova designação: TAP Portugal.

A 14 de março, a TAP integrou a Star Alliance, a primeira e maior aliança de companhias aéreas em todo o mundo. Fechou o ano com resultados positivos, 3,6 milhões de euros.

O então ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, António Mexia, garantia que Fernando Pinto continuaria à frente da companhia, o que veio a verificar-se.

Foi também nesse ano que o gestor assumiu Presidência da Associação de Companhias Aéreas Europeias (AEA).

2006

A TAP compra e assume o controlo da Variglog e da VEM, do antigo Grupo Varig (hoje TAP Manutenção & Engenharia), o maior Centro de Manutenção da América do Sul.

Número recorde de 47 frequências semanais diretas para o Brasil.

2007

Integração operacional da PGA na TAP.

A companhia recebe o primeiro A330 diretamente do fabricante.

Fernando Pinto como Presidente do Conselho da IATA (entre 2007 e 2008).

TAP considerada 10ª Companhia Aérea Mais Segura do Mundo, pela revista Newsweek.

2008

A TAP atinge o recorde de 33.464 passageiros transportados num só dia.

No conjunto do ano, transportou mais de 8 milhões de passageiros, um acréscimo de 1 milhão face ao ano anterior.

Foi considerada a Companhia Aérea do Ano, nos prémios Os 10 Mais do Turismo de 2007.

2009

Foi distinguida pelo Prémio Planeta Terra 2010 (atribuído pela UNESCO e União Internacional de Ciências Geológicas), em reconhecimento do Programa de Compensação de Emissões de CO2 da TAP. Foi a primeira, em todo o mundo, a lançar este programa.

Cresceu 20% no mercado brasileiro e, no mesmo ano, fleita Companhia Aérea Líder Mundial para a América do Sul (16ª edição World Travel Awards).

2010

A TAP, S.A. obteve o melhor resultado de sempre, com lucros de 62,3 milhões, que permitiram à companhia regressar a uma situação líquida positiva.

2011

Foi classificada como a Mais Segura Companhia Aérea da Europa Ocidental e a quarta Mais Segura de todo o Mundo, segundo o relatório da Jet Airliner Crash Data Evaluation Centre - JACDEC.

2012

Ultrapassou os 10 milhões de passageiros transportados num único ano, um valor nunca antes alcançado.

2014

TAP ganhou 11 novos destinos.

Também nesse ano, tornou-se líder de operação no Brasil, com voos diretos à partida de Lisboa e Porto, para 12 destinos com voos bi-diários em algumas rotas. Por companração, em 2000, servia cinco destinos no Brasil, nenhum diário, e alguns deles em voos combinados.

Foi distinguida pela Câmara de Comércio Americana em Portugal com prémios AmCham, reconhecendo a companhia como veículo para a aproximação entre Portugal e os EUA.

2015

O ano da privatização. O consórcio Atlantic Gateway tornou-se o novo acionista.

Compra de 53 novos aviões e investimento de 70 milhões de euros para atualização dos interiores da frota existente.

Fernando Pinto distinguido como “Gestor do Ano do Setor Privado”, pelos Amadeu Brighter Awards.

2016

Com a extinção da marca PGA, nasce a marca TAP Express e a frota é renovada (17 novos aviões, oito aviões ATR72 e nove Embraer 190).

Nova estrutura acionista, com os chineses Hainan Airlines.

Criação da Ponte Aérea, com ligações diárias de hora a hora entre o Porto e Lisboa.

Lançamento do programa Portugal Stopover, um programa que pretende atrair turistas para Portugal. Surge como um convite aos passageiros em trânsito, sobretudo dos Estados Unidos, a fazerem uma escala de mais de um dia no país

Mais de 90 mil clientes de todo o mundo da eDreams destacaram a TAP no TOP 10 das melhores companhias aéreas do mundo.

Grupo TAP terminou ano com prejuízos, ao contrário da companhia.

2017  

TAP volta ao passsado e recupera a designação TAP Air Portugal, que foi utilizada entre 1979 e 2005.

Abril/Mario: oferta pública de venda (OPV) aos trabalhadores da TAP, de 5% das ações representativas do capital social da TAP SGPS, que lhes foi reservada no processo de privatização do grupo.

Companhia terminou o ano com mais de 14 Milhões de passageiros transportados, um crescimento de 21,7% face ao ano anterior.

As rotas dos Açores e da Madeira, no seu conjunto, ultrapassaram pela primeira vez a marca de um milhão de passageiros

Pela primeira vez, a TAP ultrapassou também um milhão de passageiros num único ano no conjunto das rotas de África

Fernando Pinto teve vários reconhecimentos no seu último ano na companhia:

  • Prémio de Sustentabilidade Reputacional, entregue a uma personalidade que, ao longo dos últimos 10 anos, registe índices de excelência ou robustez de uma forma sustentada em Portugal
  • Prémio Flight Airline Business Award, em Londres, pela “contribuição excecional para a indústria da aviação”.
  • Prémio WOCA, como reconhecimento das relações empresariais, económicas e sociais entre o Brasil e Portugal

A TAP também recebeu vários prémios:

  • Companhia Aérea do Ano - TAP Express, operada pela Portugália Airlines e marca da frota regional da TAP -, pela Associação de Companhias Regionais da Europa (ERA).
  • Prémios de Meios no setor Turismo e Lazer, nos Prémios SAPO: Ponte Aérea Guerrilha 
  • CAPA Airline Turnaround of the Year por parte da CAPA – Centre for Aviation.
  • Companhia Aérea Europeia Líder para África e Companhia Aérea Europeia Líder para a América do Sul. Revista de Bordo, a UP, conquistou o prémio de Revista de Bordo Líder na Europa na última edição dos World Travel Awards.
  • Portugal Stopover premiado nos Digital Communication Awards, na categoria de Lançamento de Produto.
  • Prémio Four Star Global Airline por parte da APEX - Airline Passenger Experience Association.
  • Melhor Companhia de Aviação pelos prémios Publituris
  • Menção honrosa para o projeto Flytap nos Portugal Digital Awards
  • O safety video da TAP, The Journey, soma várias distinções internacionais.
  • 1º e 3º lugares aos vinhos servidos pela TAP em classe executiva, pela revista norte-americana Global Traveler.
  • Melhor Companhia Aérea para a Marketeer “pelo trabalho desenvolvido em Portugal na área do Marketing, Publicidade e Comunicação.
  • Melhor Transportadora de Carga Aérea 2016, para a TAP Cargo, pela revista Logística & Transportes Hoje.
  • Prémios Human Resources na categoria de Promoção de Saúde e Bem-Estar, também para a TAP Cargo.
  • O programa TAP Victoria foi distinguido pelos Freddie Awards.    
  • TOP 3 de empresas mais atrativas para trabalhar, distinção atribuída pelo Randstad Award.
  • A tripulação mais bonita, segundo a revista Monocle

2018

Esperam-se novos aviões state-of-the-art para breve. 

A TAP será a primeira companhia aérea a operar o novo A330neo e a sua cabina Airspace.