A Sonae - SGPS apresentou resultados esta manhã, antes da abertura do mercado. O lucro da retalhista subiu 21,9% para 175 milhões de euros em 2015, apesar da queda das margens no retalho, segundo o comunicado enviado à CMVM.

Para estes resultados consolidados contribuíram as operações de venda e aluguer de imóveis, bem como resultados indirectos.

O lucro ficou abaixo da expectativa de quatro analistas consultados pela Reuters, que antecipavam um resultado de 183 millhões de euros e vendas de 5.017 milhões. Ora, o volume de negócios cresceu 0,8% para 5.014 milhões. 

A Sonae - detida em mais de 52% pela Efanor, holding do magnata Belmiro de Azevedo - detém a maior retalhista de Portugal, e detém ainda participações na telecom NOS NOS.LS, Sonae Capital SONAC.LS, Sonaecom SNC.LS e Sonae Sierra.

De referir que, em 2015, os resultados indirectos das participadas da Sonae aumentaram para 49 milhões, o que compara com os 19 milhões de 2014. 

A dívida líquida da Sonae alcançou os 1.293 milhões de euros em 2015, mais 42 milhões do que no ano anterior.

Refere-se também que a Sonae MC, braço para o retalho alimentar, abriu 11 lojas de proximidade Continente Bom Dia, 2 lojas Continente Modelo e 65 lojas Meu Super.

No retalho especializado, a retalhista destacou o contributo da Worten e Sportzone em Espanha que foram, até recentemente, um foco de preocupação dos investidores.