[Notícia atualizada às 17h10]

O resultado líquido do Banco BPI baixou 30,7%, em termos homólogos, para 58,9 milhões de euros entre janeiro e junho, revelou hoje o banco liderado por Fernando Ulrich.

«A maior queda deu-se na atividade doméstica, cerca de 54%, ao passo que na atividade internacional a quebra foi muito menor», salientou o banqueiro na conferência de imprensa de apresentação de resultados, em Lisboa.

Um dos fatores que marcou este primeiro semestre prende-se com os custos de 45 milhões de euros relacionados com os juros devidos ao Estado por causa dos CoCos, instrumentos híbridos de capital que foram subscritos pelo Tesouro no âmbito do processo de capitalização do banco.

O banco tem atualmente, já considerando o recente reembolso de 80 milhões de euros de CoCos ao Estado, um rácio de capital core tier 1 de 8,8%, calculado de acordo com as regras de Basileia III.

Isto significa que o BPI tem «um excesso de capital de 345 milhões de euros relativamente ao rácio core tier 1 mínimo de 4,5% e ao buffer [almofada] de conservação de fundos próprios de 2,5%, o que corresponde a um rácio mínimo de 7%», salientou Ulrich.

O banqueiro apontou para a «possibilidade de pedir o reembolso de CoCos na ordem desta grandeza», ainda que frisando que, para tal, é necessária a autorização do Banco de Portugal, pelo que, só depois das negociações com o supervisor «é que será definido o montante».