A SIBS Cartões está "a proceder a uma reestruturação" da empresa e está a propor aos trabalhadores acordos de rescisão, reformas antecipadas ou migração para outras empresas do grupo SIBS, refere um comunicado da empresa divulgado esta terça-feira.

Em causa estão 14 postos de trabalho, de acordo com fonte oficial da SIBS citada pela Lusa, sendo que este processo de redimensionamento visa "a recuperação da sustentabilidade e eficiência" da empresa.

A mesma fonte indica que os acordos de rescisão "incluem condições acima dos limites legais estabelecidos na legislação", acrescentando que "a empresa se manteve disponível para analisar as dúvidas e questões de cada colaborador envolvido, nomeadamente acerca da proposta especifica a que cada um teve acesso".

Em comunicado, a SIBS Cartões refere que "o mercado de cartões bancários em Portugal tem vindo a diminuir, tendo atingido níveis mínimos em 2015", sendo que esta redução da procura teve "impacto direto na atividade, produção e escala" da empresa.

Assim, perante este contexto, a empresa do grupo SIBS explica que "foi preparado um conjunto de medidas internas fundamentais para ajustar em baixa a capacidade produtiva aos níveis de procura, e assim garantir a sustentabilidade da empresa".


De acordo com a SIBS Cartões, o plano de reestruturação envolve "a redução de custos de produção, um ajuste da capacidade produtiva e um redimensionamento da empresa, em conformidade com a procura do mercado, que permitirá ganhos de eficiência e aumentos de competitividade num setor cada vez mais concorrencial".

Paulo Alexandre, dirigente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI), afirmou esta terça-feira ao "Diário Económico" que a empresa está a fazer um despedimento coletivo "justificado com a redução do negócio e, portanto, com a redução do serviço".

O jornal adianta que, no encontro com os responsáveis da empresa, o sindicato referiu que a SIBS Cartões está a oferecer 1,2 salários por cada ano de trabalho, mas que este valor não pode ser comparado com as indemnizações na banca dado que a SIBS “tem salários relativamente acima dos que se praticam na banca”.