As entidades do setor público estão a desenvolver e adotar planos de prevenção de risco de corrupção, mas devem torná-los mais robustos e aprofundá-los, revela um relatório do Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC) divulgado esta segunda-feira.

O documento insere-se no projeto “Prevenir a corrupção no setor público – uma experiência de cinco anos”, que se traduziu na realização de um inquérito junto das entidades públicas que adotaram e enviaram ao CCP os seus planos de prevenção de risco de corrupção.

Ao questionário, feito com a colaboração do gabinete de auditoria interna do Tribunal de Contas, responderam, durante os meses de janeiro e fevereiro, 643 entidades de todas as áreas do setor público, representando um total de 355.935 trabalhadores em funções públicas.