Em teoria, todos os anos em fevereiro e em junho os profissionais podem pedir para baixar o escalão de descontos, independentemente dos rendimentos, mas na prática, chegados a junho, há várias dezenas de pedidos que continuam à espera de resposta, escreve o Negócios.

As explicações variam: aos recibos verdes alegam-se problemas informáticos, mas nos serviços da Segurança Social a informática é descrita como o bode expiatório para tudo o que corre mal.

O atual regime substituiu um outro, cheio de percalços, que permitia o reescalonamento se houvesse 3 meses consecutivos de queda abrupta de rendimentos. Atrasos na regulamentação e problemas na sua operacionalização levaram a que não produzisse resultados significativos.