O chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, afirmou esta terça-feira que Espanha conseguiu «atravessar o Cabo Horn» e a economia passou nos últimos dois anos de um cenário de «queda e ameaça» a um de «esperança e ambição».

«Passamos da queda à recuperação, da ameaça à esperança», disse Rajoy, no arranque do discurso do Estado da nação no Congresso de Deputados em Madrid, citado pela Lusa.

«Atravessámos o Cabo de Horn. Espanha era um lastre para a Europa e hoje é parte do motor. Já não falamos de esperanças, mas de ambições», disse.

O estado da economia espanhola e os sinais de recuperação dos últimos trimestres marcaram o arranque do discurso de Rajoy no debate que começou hoje na câmara baixa das Cortes espanholas.

Num arranque aplaudido várias vezes pela sua bancada, Rajoy recordou que nos últimos dois anos a perceção internacional sobre Espanha mudou significativamente, com a imprensa internacional a deixar de «ver um país à beira do precipício» para «dar conta da recuperação e do avanço» verificado.

«Iniciámos uma etapa mais tranquila e duradoira. A desconfiança é uma palavra que já não faz sentido. Hoje fala-se do grande dinamismo de Espanha», disse.

«Depois de nove trimestres em recessão conseguimos abandoná-la e já estamos a crescer, ainda que de forma moderada», afirmou ainda.

Entre as melhorias, Rajoy referiu-se à forte queda do risco da dívida - «que permitiu poupanças de 8.800 milhões de euros» -, à redução do desemprego e aos novos recordes de exportações, investimento estrangeiro e turismo.

«A esta mudança podem acrescentar-se muitos matizes, mas o que não se pode fazer é negá-la. Esta mudança é um facto e é mérito dos espanhóis e dos seus sacrifícios», afirmou.

Apesar das melhorias, Rajoy insiste em manter a agenda de reformas, «que trouxe Espanha até aqui», afirmando que não ficará satisfeito «até que caia o desemprego», dando a volta «ao total de mais de cinco milhões de pessoas que não podem trabalhar».

«A criação de emprego é o eixo que vértebra todas as nossas iniciativas. Todas as medidas vêm de uma política articulada com esse propósito», afirmou.

Ainda assim, Rajoy afirma que depois de «68 registos mensais negativos, uns atrás dos outros, durante cinco anos e dois terços do sexto», finalmente Espanha começou a evitar a destruição de emprego.

«Quando se aprovou a reforma laboral, o desemprego crescia em Espanha a um ritmo anual de 12,5%. Hoje, com a reforma, cai. Pela primeira vez em toda a crise podemos dizer que há menos desempregados que há um ano», afirmou.

O debate que começou hoje é o 24.º do Estado da Nação do período da democracia e o segundo da atual legislatura.

Depois do discurso de Mariano Rajoy seguem-se, durante a tarde de hoje, as intervenções dos porta-vozes dos grupos da oposição, de maior a menor, começando pelo líder socialista Alfredo Pérez Rubalcaba.

O debate prossegue na quarta-feira com os grupos que não discursaram hoje e, após as réplicas de Rajoy, serão votadas as propostas de resolução dos grupos parlamentares.