A Altice garante que quer criar emprego qualificado em Portugal. Numa altura em que é acusada de fazer o oposto na PT/MEO, a empresa estabeleceu como metas a criação de 4.000 empregos em call centers e 2.000 empregos diretos e indiretos na expansão da rede de fibra ótica.

A Altice assegura querer ainda contratar 500 jovens portugueses recém-licenciados até 2020, em novas profissões como cientistas de dados e analistas.

O compromisso anunciado pela empresa acontece numa altura em que está debaixo de fogo dos sindicatos.

Os representantes dos trabalhadores acusam a Altice de estar a realizar um despedimento coletivo encapotado, recorrendo à figura da transmissão de funcionários para outras empresas do grupo ou parceiras.

Um relatório da autoridade para as condições do trabalho identificou entretanto 150 infrações na empresa ao nível do trabalho, entre elas, trabalhadores sem funções e situações de assédio moral.

Recentemente, o jornal Público avançou que a empresa convidou trabalhadores sem funções a ficarem em casa pelo menos até 15 de janeiro, dispensando-os do dever de deslocação ao emprego, até ser encontrada uma solução.

Os funcionários da PT têm dito que Autoridade para as Condições do Trabalho também reconhece que há lacunas na lei e não pode fazer nada contra a transferência de funcionários, de forma compulsiva. Por isso, exige que o Governo atue.

Há dois anos em Portugal, primeiro com a PT, a Altice acaba de entrar no setor da comunicação social, com o anúncio da compra da Media Capital, dona da TVI e TVI24, sujeito ainda à aprovação dos reguladores.