O consórcio dos fundos Apax/Bain com a portuguesa Semapa voltou mostrar-se disponível para melhorar a oferta pela PT Portugal, mesmo após ter sido divulgado que a venda do ativo à Altice deverá ser aprovada esta sexta-feira pela Oi.

«O que nos interessa [compra da PT Portugal] compete à Assembleia-Geral de Acionistas da PT SGPS decidir. É aí que nos continuamos a bater. Continua a haver disponibilidade para melhorar a oferta e ir ao encontro dos acionistas», disse à Lusa fonte próxima do consórcio.

Já na segunda-feira, fonte próxima do consórcio tinha dito que o mesmo estava disponível para continuar as negociações com a Oi e apresentar uma oferta competitiva face à apresentada pelos franceses da Altice e que deverá ser aprovada esta sexta-feira pela administração da operadora brasileira Oi.

Na altura, a mesma fonte sublinhou ser «importante que todos os acionistas da PT SGPS» tivessem «a possibilidade de escolher mais do que uma proposta», depois de o concorrente grupo francês Altice ter anunciado no domingo que aumentou a oferta para a compra da PT Portugal em 375 milhões de euros, para 7.400 milhões, entrando em negociações exclusivas com a Oi.

A operação, de acordo com a Altice, será financiada por nova dívida e dinheiro do grupo.

Há uma semana, os fundos Apax Partners e Bain Capital, em conjunto com a Semapa, apresentaram uma proposta vinculativa para a compra da PT Portugal no âmbito do processo de combinação de negócios com a PT SGPS.

A 12 de novembro, foi divulgado ao mercado que os fundos tinham oferecido 7.075 milhões de euros pela PT Portugal.

Também na sexta-feira, os CTT anunciaram a assinatura de um memorando de entendimento com a Altice para a «celebração de um acordo quadro que potencie as sinergias conjuntas» entre a empresa e a PT Portugal, prevendo que os Correios recebam um pagamento inicial de 15 milhões de euros e depois mais 15 milhões de euros, sujeitos à concretização do acordo quadro referido.

Paralelamente, decorre uma Oferta Pública de Aquisição lançada pela Terra Peregrin, da empresária angolana Isabel dos Santos, sobre a PT SGPS, que a 09 de novembro anunciou a sua intenção de compra, oferecendo mais de 1,21 mil milhões de euros pela totalidade das ações da empresa portuguesa, ao preço de 1,35 euros por ação.

A PT SGPS detém 25% da Oi, enquanto a operadora brasileira controla cerca de 10% da empresa portuguesa e detém 100% da PT Portugal.