As bolsas europeias abriram em alta neste arranque se semana. conseguindo escapar ao pessimismo que seria expectável depois de divulgados os dados desapontantes sobre a criação de emprego nos Estados Unidos, na semana passada, para além doo recuo acima do esperado das exportações e importações da China. No que toca a Lisboa, o PSI20 valorizava ligeiramente, cerca de 0,15%, na primeira meia hora de negociação, para 4.998,12 pontos.

A impulsionar estava sobretudo a NOS, com uma valorização de 1,08% para 6,438 euros. Em terreno positivo, destaque ainda para duas empresas que vão apresentar resultados esta semana: os CTT (cujos títulos subiam 0,9% para 8,077 euros) e a Corticeira Amorim (a valer mais 0,6% para 6,27 euros). Os primeiros apresentam resultados na quarta-feira e a segunda já amanhã, terça-feira. 

Pela negativa, e a impedir maiores ganhos na bolsa nacional, está o BCP, que continua em maré de perdas, desvalorizando hoje 0,9% para 0,0342 euros. 

A maior queda em percentagem pertence mesmo à Altri, que derrapa mais de 5% para 3,264 euros. A produtora de pasta de eucalipto começou a negociar hoje sem direito a dividendo. Isto porque vai distribuir um dividendo de 25 cêntimos por ação já a partir de 11 de maio, ou seja, da próxima quarta-feira.

Na energia, o sentimento é misto: Galp valorizava muito ligeiramente para 12,046 euros, a EDP Renováveis subia 0,58% para 6,896 euros; já a EDP caía 0,76% para 3,152 euros. A elétrica liderada por António Mexia anunciou esta segunda-feira, antes da abertura do mercado, que vendeu 348 milhões de euros do défice tarifário deste ano.

O petróleo, que pode sempre influenciar as cotações, está a valorizar nos mercados internacionais, sendo que o barril de Brent - aquele que serve de referência para Portugal, está já a cotar nos 45,68 dólares por barril. 

Esta é uma semana em que os investidores estarão certamente na expectativa não só por causa dos resultados empresariais (para além da Corticeira Amorim e dos CTT, também a Sonae e a REN apresentam contas, quinta e sexta-feira, respetivamente), como pelo panorama da economia Portugal. o Estado volta ao mercado para procurar financiamento de longo prazo precisamente na quarta-feira e, na sexta-feira, será a vez de sabermos qual foi o desempenho da economia portuguesa nos primeiros três meses do ano. Ao que tudo indica, segundo as estimativas, o crescimento do PIB terá abrandado.