O ânimo arrefeceu. Se desde o final da semana passada, as bolsas europeias estavam a reagir com entusiasmo às decisões do BCE de reforçar os estímulos à economia da zona euro, ventos contrários da Ásia vieram esta terça-feira mudar as negociações de cor.

É que o Banco do Japão veio alertar para a tímida recuperação da economia e manteve a política monetária inalterada, depois de em janeiro ter cotado a taxa de juro de referência para terreno negativo - o que até está a fazer muitos japoneses recorrerem a cofres em vez de guardarem o dinheiro no banco.

A bolsa de Tóquio perdeu quase 0,7% e a de Hong Kong 0,8%. Pela Europa, também tudo no vermelho, com recuos entre 0,5% e 1% no arranque. Lisboa não é exceção.

O PSI20 perdia 0,57% para os 5.051,90 pontos na primeira hora de negociações. Se o BCP estava há duas sessões a disparar, hoje corrige os ganhos e desce 0,65% para 0,0461 euros. Já o BPI contraria – e é das poucas cotadas a subir – valorizando 0,48% para 1,2510 euros.

Entre as empresas do PSI20 que estão a desvalorizar, destaque para os CTT, que apresentam resultados hoje depois do fecho do mercado. Os analistas estimam que o lucro terá caído 7%. Os investidores estão na expectativa e as ações caem quase 1%, com cada uma a valer perto de 7,86 euros.

De notar ainda a queda da Galp (0,7% para 10,68 euros), no dia em que a empresa poderá reavaliar as estimativas para o investimento e a política de dividendos, no Capital Markets Day, em Londres.

Ainda no setor da energia, a EDP Renováveis é a empresa que mais desvaloriza neste início de manhã (1,34% para 6,46 euros). Já a casa mãe EDP sobe uns ligeiros 0,3%, com cada ação a valer 2,99 euros.