As ações do BCP destacaram-se na Bolsa de Lisboa, ao subiram 2,41% para 0,0382 euros na sua quinta sessão seguida em terreno positivo. “Os ventos que sopram da banca norte-americana ajudam o sector bancário a recuperar com os resultados do Bank of America e do Wells Fargo a superarem as expectativas”, explicou Carla Santos, gestora da XTB Portugal, citada pela agência Reuters. Acrescentou ainda que “a fusão do BCP em Angola dá um novo ânimo à cotação do título, passando este a ser o terceiro maior banco do país a nível de crédito concedido”. Diversos traders realçam ainda que o título BCP tem beneficiado da euforia na banca italiana, com a criação de um fundo para ajudar a resolver o problema do crédito malparado naquele país, e também do ângulo especulativo com o acordo entre os maiores acionistas do BPI.

As ações do BPI permanecem suspensas, pelo quarta dia consecutivo, com o regulador à espera da divulgação de facto relevante, após o Caixabank e Isabel dos Santos terem acordado uma solução para a exposição aos grandes riscos.

Suporte adicional da telecom NOS, que ganhou 2,01%, da Galp Energia que subiu 0,26%, dos CTT que escalaram 0,72% e da Jerónimo Martins, que somou 0,38%. Segundo o Caixa Banco de Investimento, a introdução de uma taxa única sobre o sector do retalho na Polónia não prejudica a insígnia líder do retalho alimentar naquele país, (a Biedronka, que é detida pela Jerónimo Martins), dada a capacidade de passar uma parte significativa deste custo, minimizando o impacto nos resultados.

Pela negativa destacou-se a Altri, com um tombo de 4,94%, espelhando o corte de 28% no valor justo por ação, para 3,3 euros, por parte do banco Haitong (ex-BESI). "Estamos a ficar mais cautelosos em relação ao sector da pasta de papel na Ibéria... com os produtores a serem penalizados por um dólar mais fraco e uma queda nos preços da pasta, numa altura em que a capacidade está a subir," disse esta casa de investimento.

A EDP Renováveis ganhou 0,21% e a EDP apenas 0,07%.

As principais bolsas europeias fecharam em terreno positivo e o índice FTSEurofirst, que agrega as 300 maiores cotadas na Europa, subiu 0,29% e tocou máximos de um mês, numa sessão em que as ações da suíça Nestlé e da espanhola Ferrovial brilharam.

As ações da Nestle subiram 2% após este grupo alimentar ter confirmado as perspetivas para o conjunto do ano e batido as estimativas para o crescimento de vendas no primeiro trimestre.

Por sua vez, os títulos da empresa de construção e infraestruturas Ferrovial ganharam 3,8%, impulsionados por uma revisão em alta por parte do Exane BNP Paribas.

O preço do barril de Brent, que ontem fixou máximos desde o início do ano muito perto dos 45 dólares, sobe 0,32% para 44,33 dólares, com o foco centrado na reunião de Doha, este domingo, na qual os produtores poderão acordar em 'congelar' a produção. A Agência Internacional de Energia anunciou ontem que prevê uma recuperação dos preços do petróleo pelo menos até ao final de 2017.