Cerca de meia centena de enfermeiros do Centro Hospitalar Tondela-Viseu concentraram-se, esta quinta-feira, junto à entrada principal do Hospital de Viseu, a reclamar a aplicação das 35 horas semanais aos profissionais com contrato individual de trabalho.

Segundo disse à Lusa Alfredo Gomes, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, metade dos cerca de 800 profissionais com esse vínculo contratual está ainda no regime das 40 horas semanais.

Pela lei deviam estar já a fazer 35 horas semanais, mas, na prática, e porque existe falta de pessoal, fazem muito mais horas, 40 ou 50, para que os serviços não fechem"

Salientando que os cerca de 400 enfermeiros com contrato de trabalho em funções públicas já fazem 35 horas semanais, Alfredo Gomes frisa que o Centro Hospitalar Tondela-Viseu está a discriminar os outros profissionais, "potenciando os conflitos laborais nos serviços e dificultando a prestação de cuidados de enfermagem em equipa".

O dirigente sindical afirmou que o conselho de administração tem poder para alterar os contratos individuais de trabalho para as 35 horas semanais, tendo hoje sido entregue um requerimento nesse sentido.

Acrescentou ainda que o ministério da Saúde, no início do verão, retirou da discussão com os enfermeiros a questão da redução horária, devido à eventualidade de Portugal ser multado pela União europeia por défice excessivo. "Como isso não se verificou, já não há motivo para não voltar a ser discutido", atirou, salientando que os enfermeiros vão aguardar por uma reunião em setembro com a tutela e manter as greves semanais previstas.

Caso a tutela se mantenha irredutível, o dirigente disse que os enfermeiros vão continuar e agudizar a luta, cujas ações serão discutidas em plenário.

Esta semana houve mesmo greves levadas a cabo por enfermeiros, pelos mesmos e outros motivos, em Guimarães, Fundão e Pêro da Covilhã.