O Projeto Troika apresenta este fim de semana o trabalho de oito fotógrafos e um realizador que documentaram o impacto da troika em Portugal e pretendem que constitua um legado visual, disse esta quinta-feira um dos elementos do coletivo.

O lançamento do livro e do DVD do Projeto Troika vai ser feito, na sexta-feira, às 21:30 no Edifício AXA, no Porto, e no sábado, às 17:30, na Fábrica de Braço de Prata, em Lisboa.

O fotojornalista Adriano Miranda disse à Lusa que o balanço da iniciativa «é muito positivo», sendo «nove trabalhos completamente diferentes sobre o mesmo tema».

O coletivo lançou o projeto no começo do ano sem apoios externos e desenvolveu uma campanha de angariação de fundos através da página www.projectotroika.com para reunir financiamento de modo a publicar um livro e um filme, que ultrapassou o objetivo de 15.000 euros.

Para o desenvolvimento do projeto, recuperaram imagens da RTP e do fotógrafo Alfredo Cunha de Portugal no começo dos anos 1980, aquando da anterior intervenção do Fundo Monetário Internacional (FMI), de modo a ganhar noção do que era Portugal naquela altura.

Assim, o coletivo espera que o mesmo possa acontecer dentro de anos com o trabalho que realizaram.

«Na fotografia temos discursos diferentes, mas nisto temos um discurso semelhante: acho que não», declarou Adriano Miranda em resposta à questão sobre se o país está melhor, passados os anos de intervenção do Banco Central Europeu, Comissão Europeia e FMI.

O fotojornalista realçou que se voltassem a retratar as pessoas que incluíram no trabalho «se calhar estavam iguais ou pior».