O Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) convocou esta terça-feira uma greve geral para o dia 27 de dezembro, em luta contra a privatização total dos CTT, anunciou o sindicato.

Em comunicado, o SNTCT explica que em causa estão reivindicações sobre medidas remuneratórias, subsídios de férias e de Natal, progressão na carreira e o pagamento de diuturnidades, do trabalho suplementar, das ajudas de custo e de transporte.

A maior parte do capital dos CTT - Correios de Portugal, 70%, foi privatizada este ano, com dispersão em bolsa.

As ações dos CTT estrearam-se na bolsa de Lisboa no dia 05 de dezembro, a valer a 5,91 euros, uma subida superior a 7% face aos 5,52 euros a que foram vendidas na Oferta Pública de Venda (OPV).

Numa primeira fase, o Estado, através da Parpública, deverá ficar com 30% dos CTT após a oferta pública inicial. A médio prazo, o Estado deverá sair da empresa.

O presidente executivo da empresa, Francisco Lacerda, disse que a venda das ações dos CTT permitiu um encaixe de 579 milhões de euros.

Só a OPV permitiu um encaixe de 115,3 milhões de euros (10,8 milhões das ações reservadas aos trabalhadores dos CTT e 104,5 milhões de euros das ações adquiridas pelo público em geral), sendo o remanescente dos investidores institucionais, especificou o diretor de Mercados da Euronext Lisbon, Miguel Geraldes, no dia do lançamento das ações em bolsa.