Nos primeiros seis meses do ano mais de 2.500 pessoas perderam o direito ao subsídio de desemprego, por não terem cumprido as obrigações perante os centros de emprego.
 
Contas feitas, são menos 8% do que em igual período do ano passado.
 
Segundo o Diário Económico, que faz referência ao relatório de atividades da Comissão de Recursos do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) , à exceção de Lisboa, todas as outras regiões do país tiveram menos anulações. As reclamações subiram e o subsídio acabou por ser reposto a 92 beneficiários.
 
A falta de comparência às convocatórias e o incumprimento das apresentações periódicas no Centro de Emprego são as razões habitualmente invocadas para a suspensão do subsídio. Outro dos motivos é a recusa ou desistência de trabalho socialmente necessário.
 
Segundo dados da Segurança Social, há neste momento 266.960 beneficiários do subsídio de desemprego.