Os portugueses continuam a cortar no orçamento para o Natal, que este ano fica pelos 315 euros por lar, sendo quase metade gasto em presentes, sobretudo para as crianças, de acordo com um estudo revelado este domingo pela Deloitte.

Este ano, os portugueses preveem gastar cerca de 315 euros por lar - 143 euros em presentes, 118 euros em alimentação e bebidas e 54 euros em socialização -, o que corresponde a uma quebra de 5% face a 2014, e que compara com uma previsão de 513 euros de média da União Europeia.

Há um ano, os portugueses antecipavam gastar 270 euros, tendo entretanto revisto a fatura com as festividades para 333 euros, mais 23% do que o previsto, nota a consultora no estudo de Natal, que revela ainda que 44% dos gastos serão com prendas para as crianças.

Portugal está entre os países em que se antecipa um maior corte nos orçamentos para o Natal, sendo apenas ultrapassado pela África do Sul (-10%), Grécia (-8,6%) e Rússia (-7%).

A diminuição do rendimento disponível (depois de impostos) é o principal motivo apontado por metade dos portugueses inquiridos, para reduzirem as despesas no próximo Natal.

Ainda assim, os portugueses estão mais otimistas em relação à evolução da economia e do poder de compra do que nos anos anteriores.

Aliás, a expectativa dos portugueses em relação ao futuro melhorou significativamente este ano, tendo pela primeira vez, desde 2009, ultrapassado a média da União Europeia.

O estudo do Natal 2015 da Deloitte foi realizado em 14 países (Reino Unido, França, Portugal, Espanha, Itália, Grécia, Alemanha, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Polónia, Rússia, Eslovénia, África do Sul), tendo sido inquiridas 14.065 pessoas.

Em Portugal, foram inquiridades 761 pessoas durante o período de 28 de setembro a 05 de outubro, isto é, coincidiu com o período de campanha eleitoral para as Legislativas de 04 de outubro, tendo sido concluído um dia dia depois do escrutínio.