A inflação homóloga desacelerou nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, passando de 1,7% em outubro para 1,5% em novembro, devido à aceleração da queda dos preços da energia, anunciou a organização.

Segundo a OCDE, os decréscimos dos preços da energia passaram de 0,3% em outubro para 2,1% em novembro.
Em relação aos preços da alimentação em ritmo homólogo, estes mantiveram-se estáveis em novembro, com um acréscimo de 2,5%.

Excluindo a alimentação e a energia, a inflação homóloga na zona da OCDE desacelerou de 1,8% em outubro para 1,7% em novembro, refletindo em parte uma diminuição dos custos de produção associados ao setor da energia.

Na zona euro, a inflação desacelerou ligeiramente para 0,3% em novembro. A OCDE sublinha ainda que as estimativas rápidas do Eurostat apontam para uma taxa de inflação em dezembro do ano passado negativa em 0,2%, que será a primeira diminuição desde outubro de 2009.

Em novembro, a inflação homóloga desacelerou em todas as grandes economias da OCDE, exceto em Itália, onde aumentou ligeiramente, para 0,2%.

A taxa de inflação em novembro caiu no Japão para 2,4%, no Canadá para 2,0%, nos Estados unidos para 1,3%, no Reino Unido para 1,0%, nível mais baixo desde setembro de 2002, em França para 0,3% e na Alemanha para 0,6%, adianta a OCDE.

A organização sublinha que as estimativas rápidas para dezembro de 2014 apontam para uma continuação da queda da inflação anual na Alemanha (0,2%), bem como em Itália (0,0%).