Portugal é um dos países onde se trabalham mais horas, por um rendimento mais baixo. No entanto, há países que trabalham menos horas e têm um salário mais elevado.

Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que, em março de 2011 os portugueses ganhavam em média, por mês, 816 euros. No terceiro trimestre de 2015, dados do INE revelam que o rendimento mensal subiu 1,6% para 829 euros líquidos, ou seja, uma subida de 13 euros.

Os dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) relativos às diferentes realidades nos mercados laborais dos seus membros mostram que o número de horas de trabalho não é proporcional ao valor que se ganha.

Portugal é um dos países com a economia menos forte, tendo em conta que as horas de trabalho exigidas são superiores e os salários são dos mais baixos entre os países da União Europeia.

Em 2014, os portugueses trabalharam em média 1.657 horas para um rendimento de 22 mil euros, quando na Alemanha o rendimento médio foi cerca de 40 mil euros, ganha-se mais por menos horas de trabalho.

Nos países membros da OCDE, um profissional no México dedica 2.228 horas anuais ao seu emprego, recebendo em troca do seu esforço um salário anual de 12 850 dólares. No Luxemburgo, bastam 1 643 horas anuais para receber 61,5 mil euros ao final de um ano, tornando-se o estado-membro com o rendimento anual mais elevado.