Mais de metade dos europeus pensam que as políticas de austeridade seguidas desde o início da crise falharam. Em Portugal, dois terços têm esta mesma opinião, revela a sondagem Gallup para a plataforma «Debating Europe».



Para 51% dos cidadãos da União Europeia inquiridos, as políticas de austeridade seguidas para equilibrar as finanças públicas não funcionam. Apenas 5% acham que as políticas funcionam mas há também uma fatia significativa (34%) de pessoas que acham que as políticas precisam de mais tempo para fazer efeito.

As taxas mais elevadas de descrença na austeridade registam-se nos países sob assistência financeira: 80% na Grécia, 68% em Portugal e 64% em Chipre. Irlanda é a exceção com apenas 34% a declararem que a austeridade fracassou.

Para 60% dos europeus inquiridos, há soluções melhores que a austeridade. Em Portugal, mais uma vez, a percentagem sobe para 81%. Na Grécia atinge 94% e em Espanha 80%. Apenas 16% dos inquiridos consideraram não haver soluções melhores.

Só 22% dos europeus afirmam que as políticas de austeridade beneficiam toda a Europa, contra 67% que consideram que elas só beneficiam alguns Estados membros: a Alemanha, segundo 77%, França (48%) e o Reino Unido (39%).

No quarto lugar surge a Grécia, com 23%, seguida da Itália e de Espanha, ambas com 20%. Portugal está no 13º lugar da lista, com apenas 11% dos inquiridos a apontá-lo como país favorecido pelas políticas de austeridade.

A sondagem foi realizada entre 13 e 23 de setembro junto de 6.177 pessoas do conjunto da União Europeia.