Portugal lidera os países europeus na eficiência e emissões dos carros novos, ao apresentar a média mais baixa de dióxido de carbono por quilómetro, segundo dados hoje divulgados pela Agência Europeia do Ambiente.

A média de emissões de dióxido de carbono por quilómetro dos automóveis novos vendidos em 2016 desceu em todos os países europeus, com exceção da Holanda: estava em primeiro lugar no ano anterior e foi ultrapassada por Portugal.

A Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês) aponta, no entanto, que a redução registada em 2016, de 1,2%, foi a mais pequena desde 2006.

Segundo a EEA, Portugal registava uma média de 104,7 gramas de dióxido de carbono por quilómetro nos carros adquiridos em 2016, seguido pela Holanda, com 105,9 gramas, Dinamarca, com 106,1 gramas, e Grécia, com 106,3 gramas.

Os carros menos eficientes foram vendidos na Estónia, com emissões de 134 gramas de dióxido de carbono por quilómetro.

A organização europeia acrescenta que as vendas de carros elétricos continuam a aumentar, embora com "uma taxa significativamente mais moderada" que nos anos anteriores. Na Europa, foram registados 64 mil veículos, o que representa um acréscimo de 13% relativamente a 2015, com a França a liderar, seguida da Alemanha.

As emissões dos transportes são uma parte importante do total das emissões de gases com efeito de estufa, responsáveis pelas alterações climáticas.

O Governo tem incentivado a opção por automóveis elétricos, nomeadamente com apoios na administração pública e o reforço da rede de postos de abastecimento no país.

"Boa novidade"

A organização ambientalista Zero considerou já uma "boa novidade", o facto de Portugal ser o país europeu com automóveis novos mais eficientes e com menores emissões. Defendeu por isso mais apoio para a compra de veículos elétricos e medidas de promoção do transporte público.

Em comunicado, a Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero, salientou que "o bom posicionamento" de Portugal é consequência da aquisição de automóveis mais pequenos e menos pesados, com um valor de compra que "se adequa mais aos salários no país".

A associação ambientalista citou dados da Associação de Comércio Automóvel (ACAP) a apontar para um aumento de 17,2% nas vendas dos veículos elétricos e praticamente uma duplicação dos veículos "plug-in", com os automóveis elétricos ligeiros de passageiros a registarem 716 vendas, em 2016, representando 0,4% do total.

Já este ano, considerando os meses de janeiro e fevereiro, houve um aumento de 179%, passando-se de 74 para 207 veículos, pelo que a meta de mil veículos apoiados pelo Fundo Ambiental para 2017 deverá ser aumentada", realçou a Zero.

A organização liderada por Francisco Ferreira refere ainda que, "pelo segundo ano consecutivo, a comercialização de veículos a gasóleo diminuiu e em 2016 caiu abaixo de 50% das novas vendas".