“Nos últimos quatro anos mostrámos que é possível recuperar competitividade e sem recurso a desvalorizações cambiais, através de um esforço público e privado, de reorientação de recursos e prioridades, que nos oferece mais condições de sustentabilidade do nosso crescimento económico”




“Também diversificámos, com uma extraordinária rapidez, as trocas comerciais para fora da União Europeia, e com a retoma económica da Europa e o aprofundamento do mercado interno, beneficiaremos também do crescimento económico dos nossos parceiros mais próximos, como de resto está bem patente já com o caso espanhol”