O crescimento da zona euro desacelerou em novembro para o mínimo dos últimos 16 meses, segundo indicadores da empresa de serviços de informação financeira Markit hoje divulgados, nota a Lusa.

A primeira estimativa do índice PMI (Purchasing Managers Index) composto da zona euro - que inclui tanto a produção da indústria como a atividade do setor dos serviços - para novembro é de 51,4 pontos, contra um valor de 52,1 pontos em outubro, um mínimo desde julho de 2013.

Um índice PMI inferior a 50 pontos significa contração, enquanto um superior indica expansão da atividade.

O crescimento da produção da indústria acelerou ligeiramente para um máximo dos últimos quatro meses, mas o ritmo de expansão continuou a ser modesto.

Entretanto, o crescimento da atividade comercial no setor dos serviços atenuou-se pelo quarto mês consecutivo para um mínimo desde dezembro de 2013.

O volume de novos negócios caiu pela primeira vez desde julho de 2013, mas muito ligeiramente, devido à queda de novas encomendas, que caíram pelo terceiro mês consecutivo.

Depois de ter aumentado ligeiramente pela primeira vez nos últimos 11 meses em outubro, o emprego estabilizou em novembro.

Por países, a Markit sublinha que o crescimento na Alemanha atingiu o nível mais baixo desde julho de 2013 e que o fraco crescimento de França continua a constituir um obstáculo importante para o crescimento da zona euro.

«O recuo do índice PMI composto da zona euro para o nível mais baixo dos últimos 16 meses em novembro reaviva o espetro de um regresso à contração na região», refere o economista da Markit Chris Williamson.

Chris Williamson refere que os «recentes anúncios do Banco Central Europeu e medidas de relançamento adotadas ainda não produziram qualquer efeito positivo no crescimento».