O ministro da Economia, António Pires de Lima, disse esta quarta-feira que há sinais, como a diminuição do desemprego - que considera surpreendente -, que dão esperança de que a economia está num momento de viragem. António Pires de Lima, considerou «surpreendente a forma como a taxa de desemprego se reduziu», pedindo, no entanto, «cautela» na avaliação destes dados, uma vez que é necessário «expurgá-los do efeito da sazonalidade».

Ao mesmo tempo, o ministro anunciou o desbloqueio da ativação dos fundos do programa Revitalizar, no valor de 220 milhões de euros, garantindo que até ao final deste mês os fundos estarão disponíveis.

Estabilidade política «está garantida»

«Nestas duas semanas de trabalho do Ministério da Economia foi possível, em articulação com o Ministério das Finanças, em trabalho de boa colaboração com o Ministério das Finanças, desbloquear a ativação dos fundos - são cerca de 220 milhões de euros - do programa Revitalizar», anunciou António Pires de Lima aos jornalistas no final de uma visita à 41.ª edição da Feira do Móvel, em Paços de Ferreira.

O ministro da Economia recordou que este programa foi «muito bem concessionado, concebido e apresentado» pelo seu antecessor no cargo, Álvaro Santos Pereira, sendo, no entanto um programa que «era preciso operacionalizar», ou seja, «pegar na liquidez desse programa e pô-lo ao serviço das pequenas e médias empresas».

«Foi possível desbloquear os 110 milhões de euros que correspondem à participação de fundos comunitários do QREN [Quadro de Referência Estratégico Nacional] nestes programas e também os 110 milhões de euros que correspondem à colaboração da banca comercial», acrescentou ainda.

Pires de Lima anunciou ainda que «até ao final do mês de agosto» vai arrancar «a ativação destes fundos», que serão geridos por capitais de risco.

«Uma no Norte de Portugal (responsável por 80 milhões de euros), outra no Centro de Portugal (responsável por mais 80 milhões de euros) e outra na região de Lisboa, Alentejo e Algarve (responsável por 60 milhões de euros)», enumerou.

Estes fundos são «totalmente alocáveis a pequenas e médias empresas» e dirigidos à capitalização de projetos fundamentalmente de expansão, de inovação, de desenvolvimento ou de criação de novas empresas.

O governante considerou ainda que as pequenas e médias empresas «são uma parte fundamental do relançamento da retoma da economia».

Questionado sobre se foi fácil trabalhar com o Ministério das Finanças, Pires de Lima garantiu que sim, salientando a «relação de trabalho muito produtiva e construtiva com a equipa do Ministério das Finanças», nomeadamente com a ministra.

«É algo em que estou muito empenhado, em trabalhar bem em equipa, dentro deste Governo, porque só assim é que se conseguem resolver problemas e bloqueios como aqueles que estavam ainda a paralisar uma excelente ideia, o fundo Revitalizar, que agora vai ser ativado», enfatizou.

O Programa Revitalizar foi anunciado em Conselho de Ministros, a 19 de janeiro de 2012, e têm como objetivo promover a capitalização de empresas com planos de expansão e crescimento, com situação financeira equilibrada e sustentável, mas com necessidade de reforço de capital num contexto de revitalização ou reorientação estratégica de mercado, produto ou modelo de gestão.