O Ministério da Economia anunciou esta terça-feira que não vai aceitar um dos pontos do memorando entregue pela plataforma de sindicatos que representa os trabalhadores da TAP, o qual propõe a suspensão da privatização da companhia e da greve.

O Ministério da Economia confirmou, em comunicado, que recebeu o memorando enviado segunda-feira pela plataforma sindical, afirmando que este «contém, no entanto, um primeiro ponto, entre outros, que não é passível de aceitação pelo Governo, por não cumprir a condição prévia da não suspensão do processo de privatização, comunicada pelo Governo na reunião de sexta-feira e não contestada pela plataforma sindical».

A plataforma de sindicatos que representa os trabalhadores da TAP apresentou segunda-feira ao Governo um memorando no qual propõe a suspensão do processo de privatização da companhia e da greve entre 27 e 30 de dezembro.

«Na sequência da proposta do Governo para a criação de um grupo de trabalho, a plataforma de sindicatos apresentou ao Governo um memorando visando a suspensão do processo de reprivatização e da greve convocada para os dias 27 a 30 de dezembro do corrente ano», informou a plataforma em comunicado enviado às redações, sem acrescentar mais informações.

Na segunda-feira, antes de ser conhecida a posição dos sindicatos, o ministro Pires de Lima garantiu que o processo de privatização da TAP vai avançar, independentemente da posição da plataforma sindical da transportadora aérea sobre a greve marcada para o final de dezembro.

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP, entre os quais os pilotos, decidiram na quarta-feira avançar com uma greve de quatro dias, entre 27 e 30 de dezembro.

A plataforma que reúne os 12 sindicatos da TAP refere que a greve tem como objetivo "sensibilizar o Governo para a necessidade de travar o processo de privatização" da companhia.

O Governo aprovou no dia 13 de novembro o processo de privatização da TAP, através da alienação de ações representativas de até 66% do capital social da TAP SGPS, ficando o Estado com uma opção de venda de até 34% do capital remanescente, ao adquirente na venda direta de referência, caso faça uma apreciação positiva do cumprimento das obrigações pelo mesmo assumidas no âmbito da reprivatização.