“Houve evoluções entretanto. E para surpresa de muitos, a fraude teve extensões bastante relevantes também ao mercado europeu. E por isso, todas as fábricas que produziram para o mercado europeu não estão livres de terem produzido automóveis com a incorporação desse kit fraudulento, incluindo a Autoeuropa. Deve ser a Autoeuropa a dar explicações, não eu como ministro da Economia".




“Como é óbvio, todos os incumprimentos, tanto do ponto de vista ambiental, como do ponto de vista fiscal, como de outra natureza que possam ter existido têm de ser corrigidos. E nessa matéria o Estado vai zelar pelo cumprimento das obrigações fiscais da Volkswagen, como de qualquer outra empresa que exista no mercado português”, disse o ministro.

“O que eu creio que posso dizer com segurança é que os consumidores, os detentores desses veículos, que no fundo foram levados ao engano, não podem ser penalizados numa matéria como esta”, concluiu.