O ministro da Economia, António Pires de Lima, anunciou que vão ser investidos nos próximos quatro anos cerca de 10 milhões de euros no porto de Portimão.

Segundo disse aos jornalistas, as intervenções previstas permitirão ao porto de Portimão receber navios de cruzeiro de grande porte, atualmente impedidos de aceder à infraestrutura por falta de desassoreamento dos canais de navegação e de um rebocador, embarcação usada no apoio às manobras dos navios.

Em 2013 houve sete escalas de navios de cruzeiro previstas para Portimão, num total de 10.000 passageiros, que tiveram de ser canceladas por falta de condições do porto, problema que o presidente da Câmara de Portimão (PS) considera que poderá não ficar totalmente resolvido com as obras previstas, escreve a Lusa.

Segundo disse Manuel da Luz aos jornalistas, um estudo feito pela autarquia apontava para a necessidade de um investimento de entre 20 a 25 milhões de euros para modernizar o porto, pelo que o montante agora anunciado não deverá chegar «para o conjunto de operações que são apresentadas».

De acordo com Pires de Lima, o investimento previsto para os portos de Portimão, de dez milhões de euros e para Faro, de cerca de 4 milhões de euros, vai ser feito ao abrigo da integração destes dois portos na Administração do Porto de Sines, processo que deverá estar concluído «muito em breve».

O governante falava aos jornalistas à margem de uma reunião com representantes das administrações portuárias de Sines e do Algarve ¿ na qual também participaram os secretários de Estado do Turismo e das Obras Públicas -, no âmbito da sua primeira deslocação oficial desde que assumiu a pasta da Economia.

No caso do porto de Portimão está previsto o alargamento e aprofundamento do canal de navegação, o que irá possibilitar a receção de navios de cruzeiro com mais de 300 metros de comprimento e com capacidade para cerca de 3.000 passageiros.

«Os 10 milhões de euros chegam para as obras que são necessárias e que estão previstas também com apoio comunitário [três milhões de euros] para dotar este porto de todas as capacidades do ponto de vista turístico, incluindo, obviamente, o rebocador», afirmou o ministro.

Contudo, segundo Manuel da Luz, a solução apontada pelo Governo é a partilha do rebocador que já existe no porto de Sines com os dois portos algarvios, o que considera que não resolve o problema, uma vez que a embarcação, usada para puxar, empurrar ou rebocar os navios, pode estar ocupado no Alentejo e ser necessário no Algarve.

«Ficava satisfeito era se houvesse um rebocador no Algarve», sublinhou o autarca, acrescentando que uma embarcação desse género pode custar cerca de 4 milhões de euros.

De acordo com uma estimativa apresentada aos jornalistas pelo ministério da Economia, o porto de Portimão deverá receber este ano 55 navios de cruzeiro (dos quais nove serão em escalas inaugurais), o que representa um total de cerca de 35.000 passageiros.

Pires de Lima acrescentou ainda que o porto de Faro é um dos portos que mais está a crescer a nível nacional, no que respeita aos portos comerciais.