A greve dos pilotos da TAP apanhou desprevenidos muitos passageiros que pretendiam voar de Madrid para Lisboa ou Porto, originando uma fila de 70 pessoas rumo ao único balcão da companhia, para obter explicações ou alternativas.

Cerca das 9:20 (08:20 em Lisboa) a fila para o único balcão de atenção ao cliente da TAP no aeroporto internacional Adolfo Suárez, em Barajas (Madrid), chegava já às 70 pessoas, na sua maioria espanhóis.

Ao lado, no painel das partidas, as indicações a vermelho deixavam claro que não iriam voar para Lisboa ou Porto no horário que queriam. Ao contrário do primeiro voo da manhã, às 7:30, os voos das 9:30 da TAP e da SATA para o Porto estão cancelados, tal como o das 09:45 para Lisboa.

A informação disponível no site da gestora dos aeroportos espanhóis, a AENA, indica que os voos da TAP para Lisboa continuam marcados para as 12:10 e para as 19:10 (menos uma hora em Portugal).

Para o Porto continua marcado o voo das 19:10.

Os pilotos da TAP iniciaram à meia-noite uma greve de dez dias, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação no capital da empresa no âmbito da privatização.

A TAP cancelou 21 voos até às 08:00 da manhã na sequência da greve dos pilotos. A informação foi avançada à TVI por  Carina Correia, porta-voz da transportadora aérea, que fez o balanço das primeiras oito horas de greve.

Da meia-noite às 8:00 foram realizados 52 voos, número que abrange os serviços mínimos e os regressos a Portugal. Dos 21 cancelamentos, seis tinham sido cancelados na véspera.