A Comissão Europeia não acredita que Portugal consiga atingir a meta do défice para o próximo ano. Nas suas previsões de Outono, Bruxelas estima que Portugal tenha um défice de 3,3% em 2015, quando a previsão do Governo aponta para 2,7%, ou seja, menos 0,5 pontos percentuais.

Bruxelas: desemprego baixa para 13,6% em 2015

De acordo com o documento, «tendo em conta as medidas incluídas na proposta de Orçamento de Estado para 2015, estima-se que o défice orçamental alcance os 3,3% do Produto Interno Bruto (PIB) no próximo ano, significativamente acima do défice de 2,7% do PIB planeado pelo Governo português».


A Comissão justifica a diferença de previsão com «uma maior cautela» perante a previsão das receitas do próximo ano.

Admitindo ainda assim «uma melhoria» no saldo orçamental, face aos 4,9% que prevê para 2014 (mais 0,1 pontos do que o estimado pelo Governo), Bruxelas aponta o aumento previsto “na maioria dos itens da despesa, o que contraria parcialmente o impacto do aumento de receita e das medidas de consolidação na redução do défice”.

A concretizar-se, a estimativa da Comissão Europeia antevê também que, ao contrário do que tem sido afirmado pelo Governo, Portugal manter-se-á sob Procedimento de Défices Excessivos, por terminar o próximo ano com um défice acima dos 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Ainda na segunda-feira à noite, lembra a Lusa, o primeiro-ministro assumiu como «ponto de honra» tirar Portugal desse procedimento no próximo ano, afirmando que o Governo adotará «uma estratégia que garanta» esse objetivo.

Crescimento económico e dívida pública

A Comissão Europeia prevê também que a dívida pública fique nos 125,1% do PIB em 2015, acima dos 123,7% previstos pelo Governo, e valor que considera só será alcançado em 2016.

Quanto ao crescimento do PIB, Bruxelas está ligeiramente mais pessimista que o Governo. Em 2015, a economia portuguesa deverá crescer 1,3%, quando o Executivo estima um crescimento de 1,5%.


Bruxelas revê em baixa retoma na Europa