O Instituto Nacional de Estatística confirmou, esta quarta-feira, que a economia portuguesa cresceu 2,7% no do ano passado. O Produto Interno Bruto (PIB) atingiu 179,2 mil milhões de euros em termos reais, aproximando-se assim do valor que tinha em 2010, antes da crise económica. Há sete anos, o PIB rondava os 179,4 mil milhões.

A estimativa rápida de uma expansão do PIB de 2,7% tinha sido divulgada há quinze dias e confirma-se agora: a economia portuguesa cresceu 2,7% no conjunto de 2017 e no último trimestre desse ano avançou 2,4% em termos homólogos e 0,7% em cadeia.

Na estimativa rápida de há duas semanas, o INE divulgou que o ritmo de crescimento, no ano passado, foi o mais elevado desde 2000. Na reação a estes dados, o Ministério das Finanças releva isto mesmo e, também, a redução da dívida pública para 125,6% do PIB.

O PIB nominal cresceu 4,1% em 2017, após um crescimento de 3,2% em 2016, pelo que a dívida pública passou a representar 125,6% do PIB, 4,3 p.p. menos do que em 2016 e 0,6 p.p. abaixo das estimativas do início do ano. A economia portuguesa está hoje mais sólida, porquanto o crescimento se insere num quadro de gestão criteriosa das contas públicas, de equilíbrio das contas com o exterior e de criação de emprego".

Recorde-se que entre 2011 e 2013 a economia portuguesa perdeu 12 mil milhões de euros do seu valor, levando depois quatro anos a recuperar o valor perdido durante a crise económica.

A economia portuguesa teve melhor desempenho do que aquele que o Governo previa para 2017 (2,6%), e foi ainda mais favorável do que o crescimento de 1,5% previsto inicialmente pelo Ministério das Finanças no Orçamento do Estado para 2017.