Um juiz de Nova Orleães, nos Estados Unidos da América, rejeitou quarta-feira um pedido da empresa petrolífera britânica BP para diminuir a indemnização pelo derrame de petróleo no Golfo do México, em 2010.

A BP alegou que algumas empresas queriam beneficiar da compensação estabelecida no âmbito de um acordo com as autoridades norte-americanas, no montante de 20 mil milhões de dólares (14 mil milhões de euros ao câmbio atual).

Numa decisão datada de terça-feira, o juiz Carl Barbier entendeu que as alegações da BP estão «claramente em contradição».

A plataforma Deepwater Horizon, operada pela BP ao largo de Nova Orleães, explodiu em abril de 2010, provocando 11 mortos e o maior derramamento de petróleo da história dos Estados Unidos da América.

Desde o início de outubro que a BP conseguiu a suspensão do pagamento da indemnização às empresas junto de um tribunal de apelo, até que a questão «esteja totalmente examinada e decidida no processo judicial».