O primeiro-ministro afirmou hoje que o Governo está tranquilo com os resultados da banca portuguesa nos testes de stress europeus e relativizou o chumbo do BCP, assinalando as medidas adotadas por este banco no último ano.

«Tínhamos três bancos que estavam sujeitos a esse exame [Caixa Geral de Depósitos, Banco BPI e BCP] e podemos dizer, de um modo geral, que o resultado nos deixa tranquilos quanto ao trabalho que foi realizado pelas nossas instituições bancárias de maior relevo», declarou Pedro Passos Coelho aos jornalistas, numa conferência de imprensa conjunta com o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

Referindo-se ao BCP, o único desses três bancos que chumbou, Passos Coelho acrescentou: «Esses testes tiveram como base a situação do banco à data de 2013, é importante que a comunicação seja muito clara a este respeito. E todas as medidas que foram sendo adotados pelo banco ao longo deste ano vão ao encontro das preocupações que foram mencionadas nas conclusões dos testes de
stress, e que apontavam para alguma fragilidade em cenários muito adversos».

O chefe do executivo PSD/CDS-PP referiu que «o banco, segundo foi comunicado pela própria administração, não precisa de proceder a nenhum aumento de capital para responder a estes problemas, e as medidas que já foi adotando respondem favoravelmente às dificuldades que foram apontadas».

Segundo Passos Coelho, «à medida que o mercado se for apercebendo desta matéria», haverá uma mudança de perceção: «Eu tenho a esperança de que esse impacto que apareceu se tenda a esbater à medida que os dias forem revelando que a banca portuguesa afinal está em melhores condições do que muitas outras no espaço europeu».

«Portanto, não tenho dúvidas em dizer que do lado do Governo nós olhamos com tranquilidade para a forma como os bancos portugueses mais relevantes se comportaram neste exercício, e confortáveis com as medidas que já foram sendo adotadas», reforçou.

Ainda quanto ao BCP, o primeiro-ministro mencionou que medidas adotadas por esta instituição «já permitiram o pagamento de uma parte significativa do dinheiro que o Estado colocou no banco quando ele foi alvo de recapitalização com dinheiros públicos também».

Relativamente a esse processo, Passos Coelho afirmou: «Continuamos à espera que esse calendário venha a ser cumprido e que, portanto, durante o ano de 2015 os reembolsos finais possam ser feitos, de maneira a que o Estado deixe de ter dinheiro dos contribuintes nos bancos portugueses que têm uma natureza privada».

Pedro Passos Coelho chegou no domingo à noite a Ponta Delgada, para a sua primeira visita oficial à Região Autónoma dos Açores enquanto primeiro-ministro. Com um programa concentrado em dois dias, hoje e terça-feira, o chefe do executivo PSD/CDS-PP passará por quatro das nove ilhas deste arquipélago: São Miguel, Faial, Pico e Terceira.

O Banco Central Europeu divulgou no domingo os resultados das avaliações feitas a 130 bancos de 22 países da União Europeia, entre os quais os portugueses Caixa Geral de Depósitos (CGD), o Banco BPI e o Banco Comercial Português (BPC).

O BCP chumbou nos testes de
stress conduzidos pelas autoridades europeias, enquanto a CGD e o BPI tiveram nota positiva.

O presidente do BCP, Nuno Amado, afirmou que o banco passaria nos testes de stress do BCE e da Autoridade Bancária Europeia se os mesmos fossem feitos tendo em conta os dados atuais e não de dezembro de 2013.