O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, afirmou esta sexta-feira que o Governo espera poder começar «uma moderação» do IRS ainda em 2015, sem concretizar o que essa moderação quer dizer, mas disse que a margem de manobra não é grande.

Governo não tem preferência sobre forma de saída do programa

Durante uma audição no Parlamento sobre a décima avaliação do programa de assistência económica e financeira, Paulo Portas foi questionado por membros do seu próprio partido (CDS-PP) sobre a comissão de reforma do IRS e as intenções do Governo neste domínio.

«Devemos poder iniciar uma moderação do IRS ainda em 2015, não porque seja o ano das eleições», disse Paulo Portas, o que gerou alguns apartes dos deputados da oposição, em especial do PS, com o governante a fazer questão de dizer de seguida que só a partir de 2015 poderiam começar a fazer mudanças porque o memorando «subscrito pelo PS» assim o impede.

Ainda assim, o vice-primeiro-ministro disse desde logo que «a margem de manobra não é grande» e não deu qualquer detalhe sobre o que a «moderação» queria dizer.