Estes pagamentos «não só fazem sentido financeiramente, como também são um bom sinal que a credibilidade de Portugal está em recuperação», argumentou.




«E o povo português sabe melhor do que ninguém a diferença entre uma situação e a outra», declarou o primeiro-ministro.