O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, garantiu esta quarta-feira que não está tomada qualquer decisão sobre a flexibilização do défice para o próximo ano. Passos disse aos jornalistas, em Oliveira do Bairro, onde foi visitar uma escola, que ainda é cedo para tomar essa decisão.

Esta manhã, no parlamento, Paulo Portas referiu que o Governo português mantém que a meta do défice público de Portugal para 2014 devia ser flexibilizada para 4,5 por cento do PIB em 2014, face aos 4,0 por cento impostos pela troika, querendo continuar a persuadir os credores internacionais na próxima avaliação ao resgate, disse o vice-primeiro ministro.

A menos de uma semana do início de mais uma avaliação do resgate do país pela troika, Paulo Portas referiu que este será um dos pontos em cima da mesa, tendo anteriormente o primeiro ministro, Pedro Passos Coelho, que requereria aquela flexibilização, se fosse necessário.

Governo quer flexibilização da meta do défice para 2014