O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu hoje que é preciso manter a disciplina orçamental e apresentar excedentes primários para que eventualmente, no futuro, haja mecanismos de mutualização de dívida na União Europeia.

No debate quinzenal, na Assembleia da República, o chefe do executivo PSD/CDS-PP dedicou o seu discurso inicial a um relatório que referiu ter sido entregue à Comissão Europeia no dia 31 de março sobre os termos em que poderiam ser criadas soluções de mutualização de dívida e euro-obrigações, documento com o qual disse estar «muito em sintonia» e sobre o qual propôs que houvesse «um debate informado» no parlamento português.

«Quem promete resolver o problema de encontrar mais espaço para crescimento, porque conseguiremos, no fundo, não ter de consolidar as finanças públicas de uma forma tão impressiva, está no fundo a desviar-se da opinião geral e consensual de que, justamente, se queremos um dia ter mecanismos desta natureza, temos primeiro de mostrar que somos capazes de reduzir os nossos défices, de exibir excedentes primários, e não de ganhar mais espaço para criar mais dívida e mais défice», declarou o primeiro-ministro, no final da sua intervenção inicial.