Há um empresário português que está a ser investigado no âmbito da operação Lava Jato que aparece na lista comprometedora Papéis do Panamá, divulgada no domingo pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação. Há outros cidadãos portugueses e também instituições nacionais, que a seu tempo serão conhecidas. O escândalo foi dado a conhecer pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, a que a TVI pertence.

O nome que veio para já a público é o de Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira. O portal de notícias brasileiro UOL, um dos mais de cem meios de comunicação envolvidos na investigação, noticia que a Mossack Fonseca criou sociedades em "offshores" para pelo menos 57 indivíduos já publicamente relacionados com aquele esquema de corrupção na Petrobras.

O empresário português em causa controlava 14 empresas offshores nas Ilhas Virgens Britânicas e em outros paraísos fiscais. Isto meses antes de vender à Petrobras parte de um campo de petróleo em Benin, em 2011.

Imagem divulgada pelo UOL

Revela o UOL que Idalécio socilitou ao escritório de advogados a criação da Lusitania Petroleum Holding Limited, nas Ilhas Virgens, a 19 de julho de 2010. Sete meses depois, a Petrobras comprou o campo em Benin, mas não encontrou petróleo. Os investigadores da Operação Lava Jato suspeitam que a transação resultou em pagamentos destinados ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. 

Eduardo Cunha (Reuters)

Idalécio terá um braço direito brasileiro neste esquema, a Lusitania Geosciences S.A, criada em julho de 2011, com sede no Rio de Janeiro. Segundo o UOL, o presidente da empresa é Paulo Guilherme Galiere Rodrigues de Oliveira, sócio de Idalécio em várias empresas offshore.

A lista comprometedora revela 107 novas sociedades offshore ligadas a citados no caso Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a petrolífera estatal Petrobras.

Ministro angolano e outros nomes mundialmente conhecidos

O ministro dos Petróleos de Angola, José Botelho de Vasconcelos, é um dos políticos que figuram na lista.

Fonte: Portal do governo de Angola

O Presidente da Argentina, o futebolista Lionel Messi e o cineasta espanhol Pedro Almodóvar figuram na lista, que inclui 72 chefes ou ex-chefes de Estado: inclui o rei da Arábia Saudita, o Presidente da Ucrânia, os primeiros-ministros da Islândia e do Paquistão, elementos próximos do Presidente russoVladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha,Pilar de Borbón. Foram ainda revelados movimentos de empresas offshore vinculadas à família do Presidente chinês, Xi Jinping.

Papéis do Panamá resulta de uma fuga de informação gigante vinda da empresa de advogados panamiana Mossack Fonseca.  Onze milhões de documentos confidenciais mostram como chefes de Estado, criminosos e celebridades usam paraísos fiscais para esconderem dinheiro e património, contornando sanções com evasão fiscal.