O Fundo Monetário Internacional (FMI) confirmou hoje as previsões para a economia portuguesa recentemente avançadas pelo Governo, antecipando um crescimento de 1,2% e uma taxa de desemprego de 15,7% em 2014.

FMI antecipa crescimento de 1,2% do PIB na zona euro

No World Economic Outlook, que inclui as previsões macroeconómicas da organização, o FMI, um dos três elementos da troika (a par da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu), confirma a revisão em alta das perspetivas macroeconómicas de Portugal já adiantadas pelo Governo aquando da 11.ª avaliação ao Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF).

Crescimento duradouro e inflação devem ser prioridades

Assim, o Fundo espera que a economia portuguesa cresça 1,2% este ano e 1,5% em 2015, depois de uma recessão de 1,4% em 2013, o terceiro ano consecutivo de contração económica em Portugal.

Inflação na zona euro abaixo dos 2% «pelo menos até 2016»

Quanto à taxa de desemprego, a instituição liderada por Christine Lagarde espera que esta atinja os 15,7% este ano, depois de se ter fixado nos 16,3% em 2013. Para o próximo ano, as estimativas do FMI apontam para uma taxa de desemprego de 15%.

Em fevereiro, na conferência de imprensa sobre os resultados da 11.ª avaliação regular ao programa de resgate, o Governo reviu em alta as suas estimativas económicas para 2014, esperando que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 1,2% (contra os 0,8% anteriormente estimados) e que a taxa de desemprego chegue aos 15,7% (e não aos 16,8% como previsto antes).