A empresária angolana Isabel dos Santos, que é a segunda maior acionista do BPI, através da empresa Santoro, vai propor que se iniciem conversações entre o BPI e o BCP com vista a uma fusão, noticia o jornal «Expresso», avançando ainda que estará para breve a comunicação da intenção de avançar com a análise da operação.

O objetivo de Isabel dos Santos será o de travar a OPA em curso (lançada pelo Caixabank) com uma proposta que seja mais atrativa para todos os acionistas.

Fontes próximas do processo garantem ao jornal «Expresso» que nos últimos dias têm ocorrido conversas entre a empresária e a alguns acionistas do BCP para que a fusão dos dois bancos possa começar a ser discutida.

Contactada pelo jornal, a empresária angolana não fez qualquer comentário.

Recorde-se que no passado dia 17 de fevereiro, o espanhol CaixaBank (acionista do banco português) lançou uma oferta pública de aquisição sobre o BPI, para adquirir a totalidade do capital

Atualmente, o banco espanhol tem 44% do capital do BPI, mas só tem 20% dos direitos de voto, devido a normas internas do banco português. O CaixaBank precisa que o banco português revogue essa condição numa reunião de acionistas que será realizada após a OPA. 

A OPA é sobre a totalidade do capital, mas o CaixaBank estabelece como condição de eficácia da OPA a obtenção de mais de 50% do BPI. 

O Caixa Bank oferece 1,329 euros por cada ação do BPI, num valor total que ronda os 1,082 mil milhões de euros.