A hotelaria portuguesa registou em maio um aumento de 11% do preço médio por quarto ocupado, e as maiores taxas de ocupação em Lisboa (89%), Porto (88%) e Madeira (84%), revelou a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

O indicador ‘Tourism Monitors’ da AHP mostra que, nos primeiros cinco meses deste ano, a taxa de ocupação quarto atingiu os 79% ao nível nacional e que as categorias quatro e três estrelas registaram uma quebra, mais acentuada (1,8 pontos percentuais) na categoria mais elevada.

O preço médio por quarto ocupado, que se fixou em 97 euros, teve um aumento de 10% face a igual período de 2017, tendo sido Lisboa o destino turístico mais caro (136 euros), seguido do Grande Porto (101 euros) e de Estoril/Sintra (95 euros).

Segundo a AHP, o preço médio por quarto disponível foi de 76 euros, traduzindo um aumento de 9% face a maio do ano passado, registando-se os maiores aumentos na Costa Azul (41%), Alentejo (33%) e Lisboa (17%).

A estada média registou uma quebra de 2%, fixando-se nos 1,90 dias”, lê-se na nota hoje divulgada pela associação hoteleira, precisando que essa quebra só não se registou na categoria de três estrelas, que cresceu 3%.

Os ‘Tourism Monitors’ da AHP recolhem informação referente apenas aos hotéis, que representam 61% do total dos empreendimentos turísticos em Portugal e 67% dos quartos.

A AHP, no comunicado hoje difundido, aproveita para informar sobre os resultados de um inquérito aos hoteleiros da região de Lisboa a propósito do Eurofestival da Canção, que decorreu entre 8 e 12 e maio, que apontaram para uma taxa de ocupação de 93% na cidade de Lisboa e de 91% na área metropolitana de Lisboa.

O mesmo inquérito revelou que o preço médio por quarto ocupado na cidade de Lisboa se fixou em 173 euros e na área metropolitana de Lisboa em 154 euros.